5 Dicas para se tornar uma empresa sem fronteiras

Por André Scher

Atualmente a empresa tem que compreender a sua infraestrutura de TI e saber como migrá-la pode reduzir custos, alavancar a sua eficiência e ainda evitar perdas e paradas na operação.

Seguindo as mudanças ocasionadas pelas novas tendências em redes sociais, mobilidade, analytics e big data, as corporações deveriam utilizar a nuvem na infraestrutura de Data Center, consideramdno os seguintes aspectos:

Infraestrutura programável: servidores, storage, rede, serviços associados (DNS, Backup, etc.) comandados por software;
Orquestração de ambiente híbrido e distribuído: centro único de controle e gerencia;
Agilidade para escala web: abordagem Devops para desenvolvimento automatizado;
Always-On e Segurança: as fronteiras do DC estão mudando;
Automação e soluções cognitivas: adicionar inteligência e independência aos sistemas de Data Center.
Essa abordagem não se limita a nenhuma vertical específica, já que, apesar de existirem soluções específicas para cada uma, esse é um tema que se aplica, em geral, a todas. E baseado no atual cenário, seja nacional seja global, já é possível afirmar que hoje, como tendência geral, todas as indústrias estão buscando agilidade, eficiência e redução de custo, visto que a cada ano os CIOs possuem o mesmo ou menos budget para operar a sua planta de TI.

Cinco dicas que podem auxiliar a transformar, migrar e melhorar a eficiência da operação:
1. Conhecer o workload – saber exatamente pra que servem cada um de seus recursos computacionais, qual a sua criticidade para o negócio e qual a sua utilização, independente do local ou plataforma, assim a empresa terá uma visão exata de seus ativos de TI, previsão de investimentos futuros necessários e as oportunidades reais de transformações. Necessário uso de ferramentas e metodologias especializadas para esta análise, respeitando a entrega para os usuários e clientes, necessidade de escalabilidade e qual o nível de disponibilidade do serviço.

2. Avalie as necessidades de negócio

Cada aplicação seja Oracle, SAP, ou ainda de outros fornecedores, tem uma necessidade específica para funcionar. Então, se você possui o ‘molde’ de cada aplicação, será ainda mais fácil definir a arquitetura que vai indicar como devem ser as estruturas futuras do seu sistema de TI. Esse dado é extremamente importante, pois é ele que vai parametrizar o local onde as suas aplicações e dados serão instalados. Essa definição vai impedir, por exemplo, que uma empresa de e-commerce que realizou uma promoção e teve inúmeros acessos ao site, fique com o ambiente do site lento e não atenda a todos os clientes. No caso da indústria de finanças, vamos supor que uma determinada aplicação esteja rodando no data center do local X. Você recebe a notícia de que esse local X está em uma área por onde vai passar um furação, nesse momento a arquitetura de referência vai permitir que você migre essa aplicação para outro local sem problemas de configuração ou perda de eficiência.

Nesta fase é importante definir o blueprint tecnológico, plano e filtros de distribuição dos workloads no modelo futuro.

3. Crie o Centro de Controle de Infraestrutura sem fronteiras

Muitas empresas começaram a fazer migrações pontuais para nuvem adicionando novas plataformas e processos diferentes para gerenciar estes ambientes híbridos; em não poucas vezes, esse aumento de complexidade frustrou o uso possivel de novas soluções em nuvem ou infraestrutura definidas por software

Por isso, neste momento é importante criar a camada de gerenciamento que permitirá a execução do plano sem impacto na operação, para isso é importante que o centro de controle seja capaz de cobrir todos os ambientes e aplicações envolvidas nessa tranformação.

4. Realize a migração de maneira otimizada para o ambiente target

Nesse momento a companhia pode fazer o uso de aceleradores que possibilitam uma migração sem interrupções para o modelo futuro. Tipicamente, esses aceleradores automatizam as configurações e criam as bases que seriam feitas manualmente; atividade que demandaria muito mais tempo, além de ser passível de erro.

Nesta fase é importante mostrar segurança e previsibilidade na migração com eficiência nos processos, tarefas, recursos e custo da migração.

5. Opere e gerencie o ambiente híbrido

Essa é a hora de ter uma operação e uma visão única sobre a sua operação de TI, acompanhar o ganho de eficiência, criar/mover workloads de acordo com demandas do negócio e ter um guia para melhoria e inovação contínuas. Pensando nisso, a empresa deve adotar melhores práticas e ferramentas (frameworks) ter insights para operação, planejar a capacidade e a adoção de novas tecnologias emergentes.

Essa abordagem se traduzirá em eficiência, redução de custo e alinhamento ao negócio, mas de forma alguma representará o estado final da infraestrutura, a jornada para a infraestrutura sem fronteiras está apenas começando…

 

*André Scher é Head para GIS, Global Infraestructure Services, da Wipro LATAM.

Curta nossa página 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.