Você é canhoto(a)? Então vai gostar (ou não) de ler isso…

canhoto
ca.nho.to
(ô) adj (canho+oto) 1 Esquerdo. 2 Que se ajeita mais com a mão esquerda. 3 Desajeitado, pouco hábil. sm 1 Indivíduo que se serve, de preferência, da mão esquerda. 2 Parte esquerda de um talão de cheques, de guias de recebimento etc., em que se reproduzem os dados principais dos documentos extraídos e que fica em poder de quem os forneceu. 3 Tip A parte da medida que se embute no lado esquerdo do molde. 4 pop Diabo, demônio, cão. 5 Zool Crustáceo de couraça calcária.

No ocidente os canhotos tem sorte, em certas partes da África, Europa e grande parte do Extremo Oriente, é realmente ofensivo fazer qualquer coisa com a mão esquerda além de limpar a bunda. Por esta e outras razões, a mão esquerda é considerada impura e carrega um estigma cultural. Isso faz com que ser canhoto seja especialmente perigoso em situações sociais, uma vez que acenar ou tentar comprimentar alguém com a mão esquerda é extremamente desrespeitoso.

Canhotos também tem que ter cuidado para não usar a mão esquerda para dar ou aceitar presentes, comer ou passar alimentos. Se esquecem, não é raro ver pessoas a sua volta encarando-os com certo horror, como se tivessem acabado de receber uma tigela com suas próprias fezes.

Mesmo em países sem rigorosos códigos sociais para a limpeza, a linguagem da esquerda sempre teve conotações negativas até mesmo no dicionário, como podemos ver na definição acima, canhoto é considerado “Desajeitado, pouco hábil”.

A palavra “esquerda”, em latim é “sinistra”, que significava “fraco”, ninguém se refere ao melhor amigo ou parceiro como “meu braço esquerdo” e sim como “meu braço direito”. O lado esquerdo não é considerado muito confiável.

Os cientistas há muito tempo tentam descobrir porque os canhotos são raridade representando apenas 10% da população humana em geral, um novo estudo sugere que os canhotos são raros por causa do equilíbrio entre cooperação e competição na evolução humana.

Pesquisadores da Northwestern University chegaram a conclusão que um alto grau de cooperação desempenha um papel fundamental no porque dos canhotos serem “raridade”.

Utilizando alguns dados relacionado ao universo esportivo, desenvolveram um modelo matemático que mostra que a baixa porcentagem de canhotos é resultado do equilíbrio entre cooperação e competição na evolução humana, os dados reais de esportes competitivos foram utilizados para testar e confirmar a hipótese de que o comportamento social está relacionado à ao nível populacional de destros e canhotos.

Os resultados da pesquisa publicada no Journal of the Royal Society Interface, mostra que quanto mais social for o animal, onde cooperação é altamente valorizada, mais a população em geral vai tender para um lado, o fator mais importante para uma sociedade eficiente é um alto grau de cooperação e em humanos, o resultado foi uma maioria de destros.

Se as sociedades fossem apenas baseadas em cooperação todos iriam utilizar a mesma mão, mas se a competição fosse mais importante, 50% da população seria destra e 50% seria canhota.

O novo modelo pode prever com precisão o percentual de canhotos em um grupo de seres humanos, jogadores de beisebol, golfe, com base nos graus de cooperação e competição na interação social e ainda ajuda a explicar o mundo destro, agora e historicamente: 90% é destro contra 10% de canhotos e a relação permanece a mesma a mais de 5.000 anos. Também explica a predominância de canhotos atletas em muitos esportes, onde a concorrência pode impulsionar o número de canhotos, até um nível desproporcionado.

A cooperação favorece a imparcialidade, como por exemplo, dois destros compartilhando a mesma ferramenta, porém a concorrência física, por outro lado, favorece o incomum, em uma luta, um canhoto teria a vantagem em um mundo destro.

Com base nos dados esportivos os pesquisadores também conseguiram chegar a conclusão precisa sobre o número de  atletas (elite) canhotos no beisebol, boxe, hóquei, esgrima e ténis de mesa e mais de 50% entre os melhores jogadores de beisebol eram canhotos assim como a taxa de canhotos nos outros esportes superou os 10% da taxa da população canhota em geral.

Por outro lado, o número de jogadores de golfe (PGA) bem sucedidos canhotos é muito baixa, apenas 4%.

A precisão das previsões do modelo quando aplicado aos dados relativos aos esportes suporta a idéia de que nós estamos vendo o mesmo efeito na sociedade humana, a mesma mão, a preferência pela utilização de um lado sobre o outro, é parcialmente genética e parcialmente ambiental. Os gêmeos idênticos, que compartilham exatamente os mesmos genes, nem sempre são ambos destros ou canhotos.

A verdade é que os canhotos sofrem desde pequenos quando já conseguem identificar que o mundo não foi feito para eles, principalmente nas escolas cujas carteiras vem com o apoio acoplado, geralmente para destros, na hora de fazerem provas e testes com tempo cronometrado muitas vezes não tiram boas notas pois acabam tendo cãibras no pescoço.

A maioria das mesas escolares são feitas para crianças destras, forçando os canhotos a contorcer-se desconfortavelmente para conseguir escrever da esquerda para a direita, muitas vezes acabando borrando a mão ao escrever.

Em uma pesquisa recente com canhotos em 50 países diferentes, o número dos que nunca foram ensinados a operar como um canhoto em um mundo destro ficou freqüentemente em torno de 10%.

Canetas, apontadores, a maioria das ferramentas, até mesmo canecas, são projetados para destros, tornando a vida difícil e até dolorosa para os canhotos. Até mesmo nos computadores, o mouse está configurado no lado direito. Em madereiras ou serralharias as chaves de segurança em todas as máquinas são configuradas para ser rapidamente acessível para pessoas destras.

Estudos mostram que o número de canhotos que atingem a velhice é drasticamente inferior ao número de destros, um estudo com cerca de 2.000 estudantes universitários descobriu que os canhotos reportavam muito mas acidentes do que os destros, principalmente acidentes de automóveis. Outro estudo realizado com cerca de 1.000 pessoas que vivem no sul da Califórnia comprovou que o risco de um acidente fatal foi quase seis vezes maior com os canhotos e o risco de um acidente de carro mortal foi quatro vezes maior.

As estradas são feitas, a não ser que esteja em um país de mão inglesa, para destros, as leis são feitas para que os carros trafeguem pelo lado direito da estrada, virar a direita é permitido muitas vezes mesmo quando o farol está vermelho, e até mesmo estacionamentos foram projetados com o fluxo de destros em mente. Imagine uma pessoa dirigindo durante o horário de pico, quando um animal aparece no meio da pista, se for destro, a resposta suscetível é desviar para a direita, para cima da calçada, mas se for um canhoto, provavelmente vai virar para o lado oposto resultando em um acidente em potencial.

Infelizmente, por sofrerem mais acidentes, o estudo constatou que pessoas destras normalmente completam, nove aniversários a mais que os canhotos, que por sua vez também adoecem com mais freqüência, pesquisa feita com   canhotos de verdade (excluindo os ambidestros) mostrou que eles tinham 2,7 vezes mais probabilidades de sofrer de distúrbios do sistema imunológico e 2,3 vezes mais probabilidade de ter sido hospitalizado em algum momento.

Embora representem apenas 10% da população como um todo, compõem 20% do total de esquizofrênicos, além de serem mais associados com dislexia, TDAH e alguns transtornos de humor.

Clyde Francks, pesquisador da Universidade de Oxford, acredita que poderia ter algo a ver com um gene recém-descoberto chamado LRRTM1, o gene está intimamente ligado com o canhotismo, bem como está relacionado com chances aumentadas de doença mental, o pesquisador acredita que o gene afeta a simetria do cérebro.

Lados opostos do cérebro controlam funções opostas no corpo, os cientistas já sabem há algum tempo que a esquizofrenia e outros distúrbios são causados ​​por uma espécie de confusão sobre qual lado deve lidar com o que, agora acreditam que uma falha simétrica semelhante no cérebro seja uma das razões que algumas pessoas possam favorecer o uso da mão esquerda sobre a direita.

Metten Somers, um psiquiatra e pesquisador do cérebro, na Holanda, sugere que 70% da população canhota tem simetria normal do cérebro.

Estudos também têm demonstrado que os canhotos são duas vezes mais propensos a sofrer de pós-stress traumático, um estudo para testar a tolerância de canhotos e destros a situação terrível os forçou a assistir os oito minutos mais horríveis do filme O Silêncio dos Inocentes e  mediram a resposta emocional de ambos os grupos.

Os pesquisadores descobriram que as reações diferiam dependendo de qual mão os indivíduos utilizavam para cobrir os olhos durante os momentos sangrentos. Os destros eram geralmente capazes de contar detalhes de toda a cena que haviam acabado de assistir, enquanto os canhotos eram mais propensos a contar segmentos fragmentados.

O mais surpreendente foi que os canhotos tendiam a  apresentar sintomas sutis de PTSD (Distúrbio de Stress Pós-traumático), uma desordem comum que ocorre com  socorristas, veteranos de combate e vítimas de assassinos em série, depois de assistirem a oito minutos de um filme que nem sequer é considerado como filme de terror, tanto como um thriller psicológico.

Em canhotos, o hemisfério direito do cérebro tende a ser dominante, e é também o lado responsável pelo pensamento simbólico, criatividade. Estudos concordam que a dominância do lado oposto em canhotos tende a torná-los mais inibidos, levando horas até tomar uma decisão básica para depois se preocupar se era a decisão errada.

Para testar sua teoria, psicólogo comportamental Lynn Wright, da Universidade de Abertay Dundee realizou uma série de testes de inibição comportamental em 46 canhotos e 66 destros. Nos testes de contenção, ambos, homens e mulheres canhotos pontuaram mais alto do que os destros, enquanto que nos testes de monitoramento de falta de inibição, os destros obtiveram a maior pontuação.

Aos 30&Alguns sendo canhota devo admitir que tenho algumas dificuldades, como por exemplo, se alguém falar rápido “vire a esquerda” ou “vire a direita”, demoro um pouco para me situar, já que quando era pequena na sala de aula, geralmente quando as crianças tinham dúvidas sobre lados, as professoras respondiam “direita o lado que você escreve”, o que não era o meu caso.

As informações acima são boas para que não só eu, mas todos os canhotos que lerem, tomem consciência da importância de ficar atento ao volante, afinal queremos viver tanto quanto os destros e nessa altura do campeonato, não vou jogar beiseball, então sou grata de não ter problemas mentais (pelo menos que eu siaba) e ter superado os anos de estudo sem ter ficado com o pescoço torto.

Via: aqui e aqui.

1 comentário

  1. Interessante, porem estranhei a questão da falibilidade do canhoto ao volante. Sou canhoto e uma das coisas que sempre me destacou das demais pessoas desde criança foi a habilidade ao voltante, tendo inclusive iniciado como piloto de competições, o que não frutificou por dificuldades financeiras, mas sempre com muita vantagem sobre a concorrência, sendo que ainda hoje quase sessentão ainda venço com facilidade pilotos jovens em competições amadoras. No trânsito do dia a dia jamais sofri um único acidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.