Será que as mulheres são penalizadas ao buscar horario flexível no trabalho?

Uma nova pesquisa sugere que as mulheres podem ser penalizadas quando pedem horas de trabalho mais flexíveis ou trabalhar de casa, afinal hoje em dia é bem complicado  trabalhar em horários tradicionais e cumprir as responsabilidades familiares.

De acordo com um estudo apresentado na 109 reunião anual da American Sociological Association, essas mulheres são menos propensas que os homens a ter seus pedidos aprovados e também são vistas como menos simpáticas e comprometidas com seus empregos.

Os resultados sugerem que simplesmente defender situações de trabalho flexíveis para melhorar o equilíbrio entre vida social e trabalho não reduz a diferença salarial entre homens e mulheres, segundo pesquisador Christin Munsch, psicólogo social da Universidade Furman, em Greenville, South Carolina.

De acordo com o Bureau of Labor Statistics, nos EUA, em 2012, as mulheres ganhavam 81 centavos para cada dólar ganho pelos homens, os pesquisadores documentaram uma “penalidade a maternidade”, onde as mães que trabalham são sistematicamente discriminadas em seus empregos. Os homens têm um “bônus paternidade,” normalmente são vistos como mais responsáveis e comprometidos com o trabalho depois de ter um bebê, e os homens que, voluntariamente, cuidam de seus filhos enquanto ainda estiverem trabalhando em tempo integral podem ganhar uma “medalha de mérito progressista”.

Dezenas de estudos têm mostrado que as mulheres geralmente carregam o peso das responsabilidades domésticas e de cuidados infantis. Os homens estão, mais frequentemente, livres para irem em viagem de negócios de última hora ou para ficar longas horas no escritório.

Nesse cenário, alguns pesquisadores têm empurrado arranjos de horário de trabalho flexível, em que as mulheres podem trabalhar horas não tradicionais ou em casa, como as possíveis soluções para ajudá-las a equilibrar essas responsabilidades concorrentes e nivelar a diferença salarial entre os sexos, permitindo-lhes permanecer no local de trabalho.

Para ver como tais acordos de horário flexível são percebidos, 646 pessoas, com idades entre 18 e 65 anos, no mercado de trabalho crowdsourcing Mechanical Turk foram convidadas a ler as transcrições dos cenários de trabalho (eles foram informados de que eram reais), em seguida, convidados a avaliar o empregado de vários fatores e dizer se iria conceder o pedido.

Nas transcrições, um trabalhador – “Kevin” ou “Karen” – pediu ao seu representante de recursos humanos se eles poderiam ou entrar e sair mais cedo três dias por semana, ou para trabalhar em casa dois dias por semana. Os trabalhadores fictícios requerente o regime seja citado necessidades de cuidados infantis, tais como pegar uma criança em idade escolar do ônibus, ou disseram que queriam reduzir o consumo de carbono ou treinar para uma corrida de resistência de ciclismo.

Solicitando horário flexível por razões familiares era visto de forma mais positiva do que para os outros motivos. No geral, 69,7 por cento dos participantes disseram que iriam aprovar os pedidos de horário flexível de cuidados infantis de homens, enquanto apenas 56,7 por cento iria conceder pedidos de mulheres. Sobre 24,3 por cento acharam que o homem era “extremamente simpático”, em comparação com apenas 3 por cento que disseram o mesmo sobre a mulher. E apenas 2,7 por cento expressaram dúvidas sobre o compromisso do homem em relação ao trabalho, em comparação com 15 por cento das mulheres.

Isso pode ser porque as pessoas imaginam cenários muito diferentes para homens versus mulheres.

As pessoas pensam que as mulheres devem ser totalmente envolvidas com seus filhos se eles estão em casa – levando-os para museus de ciência ou brincar com eles ou ajudá-los com a escola.

Os resultados sugerem que as mulheres são vistas mais negativamente quando pedem arranjos de horários de trabalho flexíveis, e que por si só, horário flexível pode potencialmente aumentar a desigualdade de gênero no local de trabalho.

Ainda assim, o horário flexível é bom para os trabalhadores e suas famílias, e existem maneiras que as empresas podem minimizar o efeito desses preconceitos de gênero.

As empresas podem se mover em direção de políticas consistentes que são aplicadas automaticamente em determinadas situações ou circunstâncias, em vez de usar os instintos de um chefe para esses arranjos nos horários e formas de trabalho.

Ao ser avaliado pelo desempenho ou promoção, as empresas também devem contar com critérios mais objetivos, como horas trabalhadas ou documentos escritos.

Se nos EUA é assim, não consigo imaginar como seja no Brasil, creio que deve ser pior. Estamos em 2014 e ainda existe um preconceito enorme em relação as mulheres e o mercado de trabalho. O que me impressionou na pesquisa é que as pessoas que participaram da pesquisa foram na sua maioria propensas a julgar as mulheres por pedirem algo que iria melhorar sua vida pessoal e profissional, afinal que mãe não trabalha melhor quando consegue conciliar a responsabilidade com os filhos e lar com o trabalho?

Você conhece pessoas no Brasil que tenham conseguido horário flexível no trabalho ou até mesmo trabalhar de casa quando foi até o RH e explicou que necessitaria dessas condições para produzir mais no emprego?

Via.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.