Passeando por aí, reparando, pensando e escutando

Outro dia entrei no ônibus e o cobrador do outro post (Homem solteiro que mora com a mãe) estava lá, me deu uma vontade de perguntar se ele tinha conseguido preparar o feijão… mas me contive, não seria educado, mesmo tendo acompanhado sua vida, já que contou a história em alto e bom tom para todos ouvirem, acho que a intenção real era o motorista ter escutado, mas como teve que contar alto … engraçado como apenas escutando uma conversa entre duas pessoas, acabamos conhecendo um pouco, um momento de sua vida e parece que a conhecemos…

Hoje voltando do trabalho, desci do ônibus, aliás, a torcida do flamengo e eu (já que o ônibus estava lotado) no meio da rua, já que como a maioria das vezes o motorista literalmente larga os passageiros onde bem entende (principalmente sexta-feira), quando pisei na calçada notei que logo atrás de mim havia duas amigas conversando, como estavam falando meio alto, eu caminhei por um tempo até chegar no sinal, que estava fechado, elas continuaram praticamente grudadas em mim e depois de atravessarmos ainda continuaram por um tempo seguindo o mesmo trajeto.

Eis que estavam conversando sobre o dia que uma delas resolveu contratar um detetive para seguir o namorado que havia dito que estava doente e não poderia sair, pelo que entendi, ele morava com o Tio que era juíz, em uma rua com poucas casas. O Tio, ao notar que alguém que não morava no bairro estava parado perto de sua casa, o chamou a polícia que acabou prendendo o detetive, quando eu achei que fosse saber o final da história, elas viraram e eu continuei ….

Esse fato fez com que eu me lembrasse de uma amiga que na época da adolescência estava a fim de um garoto e sempre ligava para a casa do moço para ver se ele atendia, se estava em casa, eles não namoravam, nem ficavam, eram apenas conhecidos, o que ela não sabia é que a mãe dele era juíza e havia acabado de instalar o BINA (identificador de chamadas), então um belo dia depois de alguns telefonemas eis que a polícia bate na sua porta.

Que vergonha, ele, os amigos e mais meio mundo ficaram sabendo do fato, além dos pais da garota…

Aos 30&Alguns vejo que na rua, devemos prestar muita atenção sobre o que conversamos,pois um dia podemos acabar chegando em um blog e do nada ler um fato que aconteceu em nossa vida…. 😀

Curta nossa página 😉

2 thoughts on “Passeando por aí, reparando, pensando e escutando

  1. Cara é muito legal…essa sua visão sobre os caminhos percorridos e as pessoas que passam diante de ti…eu sou fã da escrita aqui encontrada…declaro aqui que suas andaças e seus passeios tornem-se obrigatorios…pois resultam em cronicas cada vez mais mais…interessantes e leves…é o tipo de escrita obrigatoriamente necessária para quando acordamos em sabados como este…
    saudações

    Gabriel eu comecei a prestar muita atenção nas pessoas na rua depois que fiz um curso de roteiro cinematográfico qdo anda era adolescente e a professora falava que as melhores histórias escutamos caminhando, indo de um ponto a outro … saudações e é sempre bom ter vc por aqui …

  2. Concordo plenamente com o Gabriel, as suas crônicas do dia -dia, nos fazem viajar… dentro do mesmo onibus q você vai ou volta do trabalho,…das suas paradas no sinal de trânsito…participamos das conversas dos outros…
    é isso é mesmo um barato
    eu tbm adoro qdo acordo vir ao blog só pra saber qual é a última notícia q a Veri tem pra nos contar…
    Valeu menina! vc é mto antenada com o ser humano
    bjus

    que bom que vc gosta de passar por aqui e ver o está se passando no meu mundo enquanto tenho 30&Alguns… bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Follow by Email
Pinterest
LinkedIn