Feliz Kwanzaa!!!

“Kwanzaa – uma comemoração afro-americana que vai de hoje, 26 de dezembro a 1º de janeiro, que envolve a reflexão sobre sete princípios básicos, a valorização da comunidade, das crianças e da vida. Está lentamente se espalhando pelos Estados Unidos, Canadá, Inglaterra e Caribe e já se pode enviar cartões aos amigos desejando-lhes “Happy Kwanzaa!” Achei muito curioso e resolvi pesquisar.

Ela é uma palavra suaíli, uma língua banta, oficial do Quênia e da Tanzânia, língua nacional da República Democrática do Congo (antigo Zaire) e segunda língua corrente em Burundi, Ruanda e Uganda. Kwanza é o principal rio de Angola e cuanza é a sua moeda e unidade monetária. Mas Kwanzaa é muito mais do que isso e ninguém por aqui a quem eu perguntei conhece.

A palavra significa “o primeiro, no início” ou, ainda, “os primeiros frutos”, e pertencem a tradições muito antigas das celebrações das colheitas na África. E foi ela a escolhida, por todas as suas importantes significações e tradições, para representar esta celebração construída, inventada, por um único homem, 34 anos atrás. Maulana Karenga é um professor e ativista negro (me perdoem mas não consigo dizer afro-americano por absoluto pavor de que um dia alguém me chame de “euro-brasileiro”, em absoluto desrespeito a uma importante parcela do meu sangue e da minha cultura), atual diretor do Departamento de Estudos Negros da Universidade da Califórnia. Toda a celebração e todos os rituais da Kwanzaa foram concebidos após as famosas e terríveis revoltas de Watts, em 1966. Ele buscou em remotas tradições africanas valores que fossem cultivados pelos negros americanos naqueles terríveis dias de lutas pelos direitos civis, de assassinatos de seus principais líderes e que, não sendo religiosos, pudessem atrair – como atraíram – todas as igrejas de todas as comunidades negras em todo o país e, no futuro, pelo mundo afora. Karenga organizou a Kwanzaa em torno de 5 atividades fundamentais, comuns às celebrações africanas da colheita das primeiras frutas:

· a reunião da família, de amigos, e da comunidade;

· a reverência ao criador e à criação, destacadamente a ação de graças e a reafirmação dos compromissos de respeitar o ambiente e “curar” o mundo;

. a comemoração do passado honrando os antepassados, pelo aprendizado de suas lições e seguindo os exemplos das realizações da história;

. a renovação dos compromissos com os ideais culturais mais altos da comunidade como a verdade, justiça, respeito às pessoas e à natureza, o cuidado com os vulneráveis, e respeito aos anciões;

. a celebração do “Bem da Vida” que é um conjunto de luta, realização, família, comunidade e cultura.

Karenga diz que “a Kwanzaa é celebrada através de rituais, diálogos, narrativas, poesia, dança, canto, batucada e outras festividades.” Estas atividades devem demonstrar os sete princípios, Nguzo Saba em suaíli:

  • umoja (unidade),
  • kujichagulia (autodeterminação),
  • ujima (trabalho coletivo e responsabilidade),
  • ujamaa (economia cooperativa),
  • nia (propósito),
  • kuumba (criatividade),
  • imani (fé).

A cada dia uma vela de cor diferente deve ser acesa em um altar onde são colocadas frutas frescas, uma espiga de milho para cada criança que houver na casa. Depois de acesa a vela, todos bebem de uma taça comum em reverência aos antepassados, e saúdam com a exclamação Harambee! que tanto significa “reúnam todas as coisas” como “vamos fazer juntos”. A grande festa é a de 1o de janeiro, quando há muita comida, muita alegria e onde cada criança deve ganhar três presentes que devem ser modestos: um livro, um objeto simbólico e um brinquedo.

Grande Karenga, grande idéia, grande festa! Cheia de alegria e significado, sem pertencer a nenhuma igreja e sem negar ou excluir a nenhuma fé, com ótimas receitas, boa bebida e muita fruta, com presentes e rituais mas, até onde eu tenha pesquisado, ou até hoje, nenhuma super comercialização ou bandos de coros desafinados de criancinhas louras, negras e asiáticas o dia inteiro na tv.

Apenas alegria e humanidade em torno de valores e significados permanentes sobre os quais temos que refletir e trabalhar.

Gostei dessa festa proposta por um homem perplexo pelos dramas de sua geração, mas inconformado e movido por seus desafios. Uma festa moderna e tradicional, africana e ocidental, negra, americana, ancestral e urbana, musical, encantada e familiar.

Unidade, autodeterminação, trabalho coletivo e responsabilidade, economia cooperativa, propósito, criatividade, e fé são alguns dos meus votos para você.

Feliz Kwanzaa para você e toda a sua família!
Harambee! ”

* Ricardo Prado é maestro.

fonte: Firma Produções

Curta nossa página 😉

5 thoughts on “Feliz Kwanzaa!!!

  1. Como eu sempre digo: 30 & alguns é cultura.
    estou sempre aprendendo alguma coisa nova toda vez q passo por aqui.
    Feliz Kwanzaa pra vc tbm!!!
    bjussss

  2. Olá Ricardo Prado,
    Tive aula de Música rcentemente com você na Universidade Cândido Mendes; também nos encontramos no Prêmio Cultura Nota 10.
    Achei encantadora e comovente a sua pesquisa sobre o kuanzaa.
    Felicidades pra você e deixo uma “receitinha” de Drumond para você.
    Fraterna,
    Cássia Liberatori
    Receita de Ano Novo
    Carlos Drummond de Andrade

    Para você ganhar belíssimo Ano Novo
    cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
    Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
    (mal vivido ou talvez sem sentido)
    para você ganhar um ano
    não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
    mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
    novo
    até no coração das coisas menos percebidas
    (a começar pelo seu interior)
    novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
    mas com ele se come, se passeia,
    se ama, se compreende, se trabalha,
    você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
    não precisa expedir nem receber mensagens
    (planta recebe mensagens?
    passa telegramas?).
    Não precisa fazer lista de boas intenções
    para arquivá-las na gaveta.
    Não precisa chorar de arrependido
    pelas besteiras consumadas
    nem parvamente acreditar
    que por decreto da esperança
    a partir de janeiro as coisas mudem
    e seja tudo claridade, recompensa,
    justiça entre os homens e as nações,
    liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
    direitos respeitados, começando
    pelo direito augusto de viver.
    Para ganhar um ano-novo
    que mereça este nome,
    você, meu caro, tem de merecê-lo,
    tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
    mas tente, experimente, consciente.
    É dentro de você que o Ano Novo
    cochila e espera desde sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Follow by Email
Pinterest
LinkedIn