Papel de parede

Decorando a casa com papel de parede

O papel de parede têm uma história indissociável no universo da decoração. Alternativa prática para renovar a decoração da casa, permite repaginar os ambientes obtendo resultados diferenciados, muitas vezes por valores mais acessíveis e com facilidade na instalação

Surgido na China, aproximadamente 200 anos antes de Cristo, inicialmente eram produzidos rudimentarmente com papel de arroz, totalmente branco. Depois passou a ser produzido por artesãos que utilizavam pergaminho vegetal, adicionando cores e motivos.

A princípio as pinturas eram feitas à mão por artesãos, depois com carimbos de madeira decorativos embebidos em tinta para imprimir os desenhos. As tiras resultantes desse trabalho eram coladas nas paredes substituindo as originais que ornavam os palacetes de mandaris e ricos comerciantes.

A partir dos séculos XVI e XVII o papel de parede foi levado para o continente europeu pelas mãos de comerciantes árabes, que aprenderam com os chineses a sua produção e assim ele passou a ser usado para decorar parte das paredes, janelas e portas, substituindo as telas e as tapeçarias.

Os padrões de papéis de parede totalmente europeus surgiram com a chegada de artistas renascentistas italianos na França, a convite de Francisco I. Porém o ritmo de produção era lento, as folhas eram demasiado pequenas e a qualidade da reprodução era mediana.

Em 1630, em Roven na França foi inaugurada a Papel-Toutisses, primeira fábrica de papel de parede. Em 1634, a Inglaterra iniciou sua produção em Cambridge.A Inglaterra, destacou-se dentro da produção europeia trazendo fibras de algodão e seda para a fórmula.

Somente em 1675, graças ao gravador francês Jean Papillon foi possível o uso da cor sem restrições técnicas. Jean aplicou na fabricação dos papéis o mesmo princípio utilizado na gravura: a passagem dos desenhos para blocos de madeira.

Os primeiros papéis multicoloridos foram impressos em 1750. Em 1770, foi inaugurada em Paris uma fábrica de papéis pintados e flocados.

Em 1783, a chamada Manufatura Real chegou a empregar cerca de quatrocentos artesãos.

O Chippendale, inspirado pelo rococó francês, muito variado, passou a ser o papel mais vendido e procurado de Londres.

Em 1814, Konig criou a máquina de impressão, inovando e melhorando o processo de fabricação do papel. A máquina espalhava com precisão fibras de algodão e seda sobre a tinta ainda fresca, resultando, pela transparência e sobreposição, motivos com relevo.

Em 1870, Juan Zuber instalou em Rixheim uma fábrica de papel de paredes que funcionou até 1939, na qual foram aperfeiçoadas as técnicas de impressão com corantes. A fábrica de Zuber lançou o primeiro rolo com mais de quatro metros lineares de papel de parede pronto para uso.

No final do século XIX devido à forte imigração européia o papel de parede apareceu de forma tímida no Brasil. Até 1930, a importação era pequena, em função dos altos custos, sendo em seguida esquecido por anos. Em 1960, com a modernização da indústria brasileira e com a redução dos custos, o papel tornou-se um popular revestimento decorativo de paredes. No Brasil do século XXI o papel de parede é muito utilizado, substituindo em grande parte das residências o uso de pintura. Destacam-se pela alta qualidade e beleza.

Praticidade para aplicar, retirar ou trocar

Vendido em rolos de aproximadamente 10 metros de comprimento por 58 cm de largura. Deve-se calcular a área a ser coberta para saber quantos rolos serão necessários. Quando o papel de parede é estampado, deve-se levar em conta as sobras necessárias para o encaixe das estampas nas emendas (cerca de 20% a mais de papel).

Para instalar o papel de parede é necessário que as paredes sejam preparadas ficando livres de imperfeições (buracos, rachaduras,etc). Se a parede já for revestida com papel de parede, provavelmente estará mais protegida e pronta para receber um novo revestimento depois do antigo ser removido.

Tipos de papéis de parede

Vinilizado: mais simples/comum.
Impressão: desenhos e cores feitos diretamente no papel.
Tinta: possui leves quantidades de vinil.
Durabilidade: média de 05 anos.
Limpeza: deve ser feita com pano molhado e sabão neutro.

Emborrachado: um dos tipos de papel de papel mais resistente.
Impressão: desenhos e/ou cores feitos sobre uma camada de borracha (E.V.A), aplicada na base de papel ou mesmo de TNT.
Durabilidade: média de 10 anos.
Limpeza: super lavável, deve ser feita com pano molhado e sabão neutro.

Vinílico: é o tipo de papel mais resistente.
Impressão: desenhos e/ou cores feitos sobre uma camada de vinil (Plástico), aplicada na base de papel ou mesmo de TNT.
Durabilidade: média de 12 anos.
Limpeza: super lavável, pode ser feita até mesmo com escova de lavar roupa ou esponja de lavar louça, com produtos de limpeza.

TNT dupla camada
Impressão: desenhos e/ou cores feitos diretamente sobre o TNT (base), dando assim uma aparência de tecido ao papel de parede.
Durabilidade: média de 12 anos.
Limpeza: lavável, reutilizável e pode ser aplicado mesmo em paredes que possuam umidade, deve ser feita com pano molhado ou esponja com sabão neutro.

Papel de parede em ambiente diferentes

Salas: dê preferência aos papéis de parede tradicionais ou em TNT
Papel de parede adesivo retrô com desenho cinza médio e fundo cinza claro. Crédito: Papel Decor

Ambientes amplos é indicado papel de parede estampado, use quadros com cores que contrastem com o tom do papel.

Papel de parede floral folhagens folhas e galhos com desenho branco e fundo verde claro. Crédito: Papel Decor

Ambientes menores parecem mais espaçosos com papéis de parede lisos ou com padronagens minúsculas. Utilize espelhos sobre o papel de parede.
Para sala de estar é indicado misturar lisos e estampados. As cores também influenciam no “tamanho” do ambiente, as cores claras fazem com que o local pareça mais amplo, já as cores mais fortes fazem com que o local pareça menor.

Quartos: dê preferência aos papéis de parede tradicionais ou em TNT
Papel de parede adesivo geométrico com triângulos em tons de cinza. Crédito: Papel Decor

Ambientes amplos é indicado papel de parede estampado.
Ambientes menores parecem mais espaçosos com papéis de parede lisos ou com padronagens minúsculas.

O quarto é local de descanso e relaxamento, indicado utilizar cores mais suaves e estampas mais delicadas para amenizar os efeitos da agitação do dia a dia.

No quarto também é indicado utilizar combinações de papéis de paredes, estampado atrás da cama, para compor a cabeceira ou ser a cabeceira de fato e liso nas demais paredes.

Papel de parede infantil arco íris coloridos com poás. Crédito: Papel Decor

Nos quartos das crianças podem deixar o ambiente mais divertido e podem ser trocados com facilidade de acordo com a idade e o gosto da criança.

Banheiros: papel de parede vinílico
Papel de parede adesivo com estampa de pastilha em variações de tom de preto, chumbo e cinza. Crédito: Papel Decor

Os revestimentos vinílicos não absorvem a umidade. É necessário levar em conta o tamanho e as cores já utilizadas na decoração, para escolher o tema e a estampa. Nos lavabos para dar um ar diferenciado, podem ser inclusive colocados no teto.

Cozinha: papel de parede vinílico
Papel de parede com estampa diversas de azulejos em cores preto e branco. Crédito: Papel Decor 

O ideal é utilizar papel de parede de qualidade na sua cozinha, por conta das condições de temperatura, presença da gordura. Ao revestir a cozinha com papel de parede, lembre-se da necessidade de serem papéis resistentes e de investir em produtos de limpeza para cozinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.